Eu e a lua

Numa dessas madrugadas fria
Eu chorava de paixão
Por um alguém que foi embora
Ferindo o meu coração
Sem dormir eu ficava a noite inteira
A lua era minha companheira
Era eu e ela e o meu violão

Sei que um dia pelo sol ela se apaixonou
Mas nunca viveu uma noite de amor
Para como eu poder recordar
A felicidade para ela talvez não exista
Pode parecer que está sempre triste
Mas alguém como eu ela vive a consolar

Na noite ela surge com seu manto de prata
Muitas vezes me acompanhou numa serenata
Só partia quando o sol começava aparecer
Com o sol ela nunca se encontrou
Mas sempre dividiu o céu com muito amor
Ela fez de mim um sonhador
Mostrou-me que mesmo só, vale a pena  viver.
Por Antonio Carlos Ramos
Veja também:

Pesquisar conteúdos